Bibliotecas Municipais de Lisboa
Rede BLXServiçosCatálogoColeçõesPontes de LeituraVidas e Memórias do Bairro
Home
... em Dezembro

S T Q Q S S D
 
 
 
 
01
02
03
04
05
06
07
08
09
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
< >
Lista de Distribuição
Notícias BLX
Facebook Twitter YouTube Pinterest Google+ Google Maps Flickr
  Pesquisa no sítio Perguntas Frequentes Pesquisa no google Ajuda
Início  » Rede Municipal de Bibliotecas de Lisboa » Arquivo de Iniciativas da Rede Municipal de Bibliotecas de Lisboa » Projecto Famílias BLX » Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro
Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro

» Trabalhos realizados em Maio sobre o livro "O Limpa-Palavras e outros Poemas"

Título: O Limpa-Palavras e outros Poemas
Autor: Álvaro Magalhães
Editor: Porto: Asa
Data: 2005
Suporte: Livro
ISBN: 972-41-2349-9

O Limpa-Palavras e outros Poemas

 

Margarida Fernandes
 A Margarida Fernandes de 4 anos, em conjunto com o pai, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] Era uma vez uma palavra. Mas não era uma palavra qualquer! Não senhor, era uma palavra grande, comprida e que custava muito muito a s«dizer.
Todos tinham muita dificuldade em pronunciá-la e por isso acabavam por fugir dela a sete pés. As outras palavras sussurravam entre elas quando a viam passar e diziam umas para as outras:
- Olha lá vai ela! - dizia uma - É tão grande que ocupa o caminho quase todo! - dizia outra.
- E a quantidade de letras que gasta, já viram? - perguntava outra toda indignada e nem sobram letras para as outras!
A palavra enorme sentia-se sozinha e muito triste pois as outras palavras mais pequenas fugiam dela e não queriam brincar com ela.
Um dia uma palavra muito pequenina só feita de duas letras meteu-se com a palavra gigante: - Tu és mesmo grande! - disse ela muito espantada.
- Pois sou. E tu és mesmo pequenina - disse a palavra grande já a sorrir.
- Fazem-me falta algumas letras para ser maior! E se tu me desses umas?
- Olha que não era má ideia! Vamos a isso, assim tu ficas maior e eu fico mais pequena e podemos brincar juntas!
E assim fizeram, a palavra grande perdeu umas letras e a pequena ganhou outras e quando olharam uma para a outra disseram muito espantadas: Olha! Tu agora chamas-te amizade! - disse a grande. E tu chamas-te felicidade! - disse a pequena!"

 

Inês Figueiredo
 A Inês Figueiredo de 2 anos, em conjunto com a mãe, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] Era uma vez uma árvore muito grande e bonita. A árvore estava sempre acompanhada de muitas, muitas palavras: os passarinhos amarelos, os ramos verdes, o tronco castanho e as maçãs vermelhas.
Um dia, um grupo de crianças foi visitar a árvore e brincou muito à volta dela.
As crianças cantaram lindas canções, dançaram e, por fim, fizeram um belíssimo piquenique!..."

 

Miguel
Miguel de 10 anos, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] O Senhor está a limpar as palavras nos livros".

FIM

 

» Trabalhos realizados em Abril sobre o livro "O Lobisomem"

Título: O Lobisomem
Autor: António Mota
Editor: Lisboa : Caminho
Data: 1998
Suporte: Livro
ISBN: 972-21-0959-6

O Lobisomem

 

Margarida Fernandes

Margarida Fernandes de 4 anos, em conjunto com o pai, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] - Desculpa, vou ficar de castigo? Não vou poder ver televisão O Arnaldo sobressaltou-se, deu um pulo, e todo assustado começou a gaguejar:
- Mas, mas...a...avô!
- Mas nada, meu malandreco! Então eu digo-te para ires ao sapateiro buscar as minhas botas e apanho-te aqui a preguiçar à sombra das árvores?
- O avô, foi sem pensar. Eu estava cheio de vontade de ver a Feira do Livro e depois...
- Depois o quê? - perguntou o avô já impaciente.
- Depois não aguentei. Estava lá no meio, com tantos livros à volta, tantos desenhos bonitos e coloridos e... gastei os mil escudos das botas.
- Tu fizeste o quê? E agora vou trabalhar descalço é?
- Mas avô, olha bem para o livro que eu comprei, não é bonito? Tem uns desenhos fantásticos, e a história é linda. Olha eu até comprei um livro de pintar para o mano!
- Mesmo assim! - disse o avô, agora já menos zangado.
- Devias ter feito o que mandei, e depois logo se via se havia dinheiro para os livros. Mas...olha! Esse livro é igual a um que o meu pai me comprou um dia! Deixa ver...
E o avô esqueceu-se de ralhar e sentou-se.
Sentou-se ao lado do seu netinho e leu-lhe a história em voz alta, uma história com fadas, dragões, princesas, príncipes e reis e que acaba com um..."E todos viveram felizes para sempre".

Vicente Peças

Vicente Peças de 6 anos, em conjunto com a mãe, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] - Desculpa, vou ficar de castigo? Não vou poder ver televisão durante duas semanas?
- Está bem, desculpo-te mas vais ter que me ler uma história.
- Então leio-a quando acordares antes de ires trabalhar".

 

Alexandra Santos

A Alexandra Santos de 9 anos, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] O menino continuoua ler e quando aparece o avô ele pára e diz:
- O que é que estão a fazer?
- Não devias ter as minhas botas?
- Sim, só que eu quis gastar o dinheiro com coisas úteis.
- Ai é, e o que é que compraste?
- Comprei um livro para o meu irmão e um livro para mim.
- Ah!... São coisas úteis, desculpa.
- Está bem.
E o avô compreendeu que o neto quisesse gastar o dinheiro com dois livros".

FIM

» Trabalhos realizados em Abril sobre o livro "O Lambão, o Teimoso e o Sr. Veloso"

Título: O Lambão, o Teimoso e o Sr. Veloso
Autor: António Mota
Editor: Canelas : Gailivro
Data: 2003
Suporte: Livro
ISBN: 989-557-068-6

O Lambão, o Teimoso e o Sr. Veloso

 

Matilde Inocêncio
A Matilde Inocêncio de 5 anos, em conjunto com o pai, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] No meio de tanta confusão e enquanto o Sr. Veloso muito atrapalhado limpava os ovos que se tinham partido na cabeça do Sr. Presidente, o burro teimoso e o cão lambão muito discretamente foram até ao jardim onde passaram e brincaram no meio das árvores e dsa flores. Depois quando já estavam cansados de tanto brincadeira, regressaram a casa, só os dois, sem o Sr. Veloso.
Entretanto na Feira, o Sr. Veloso continuava a procurar o teimoso e o lambão sem os conseguir encontrar. Depois de pedir desculpas a toda a gente e principalmente ao Sr. Presidente, resolveu regressar a casa muito preocupado com o desaparecimento dos seus animais de grande estimação.
Quando chegou a casa teve uma enorme alegria ao ver que op teimoso e o lambão já lá estavam à sua espera.
E ficou tão contente que até se esqueceu da grande confusão que foi aquele dia na feira".

Tiago Sousa

O Tiago Sousa de 7 anos, em conjunto com a madrinha, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] O Teimoso e o Lambão ficaram assustados com o que aconteceu. Foram a correr para a quinta pedir às galinhas que lhes arranjassem mais ovos.
Depois voltaram á feira e pediram desculpa a todos "Desculpa terrmos ficado um bocadinho zangados". Deram os ovos ao Senhor Veloso para vender na Feira e ficaram felizes para sempre".

 

Margarida Fernandes

A Margarida Fernandes de 4 anos, em conjunto com o pai, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] No meio da confusão toda, o lambão e o teimoso começaram a ficar muito assustados, pois estavam com medo de serem castigados pelas tropelias que tinham feito:
- Ó lambão, olha que eu acho que eles estão muito zangados! - disse o teimoso com os olhos muito esbugalhados.
- Pois é! se calhar é melhor sairmos daqui para fora...e depressa! - disse logo o ladrão.
- E o Sr. Veloso? - perguntou o teimoso
- Oras! Não foi ele que disse para ferrar? Eu ferrei! E fartei-me de ferrar! E não foi ele que disse para tu me mexeres? E tu mexeste-me! E de que maneira!! - exclamou o lambão.
- Pois é - disse o teimoso - mas já viste como ficou o sr. Presidente e o carro dele? Foi sem querer mas achas que eles perccebem isso? - perguntou o teimoso.
- Não me parece. por isso é que eu acho que o melhor a fazer é agarrar no Sr. Veloso e pormo-nos a andar daqui para fora, para a nossa casinha - afirmou o lambão cada vez mais impaciente.
- Então vamos a isso - disse o teimoso.
E assim fizeram...um zig para cá, um zag para lá, a toda a velocidade pelo meio daquela confusão, pegaram no Sr. Veloso, fintaram o Presidente e o Padeiro (que estavam todos sujos dos ovos), e lá foram a fugir para se esconderem dentro de casa".

FIM

 

 

» Trabalhos realizados em Março sobre o livro "O Veado Florido"

Título: O Veado Florido 
Autor: António Torrado
Editor: Porto : Civilização
Data: 1994
Suporte: Livro
ISBN: 972-26-1035-X

O Veado Florido

 

Família Silva

A Matilde de 5 anos, em conjunto com a mãe, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] Quando o veadinho saiu da jaula de ouro, sairam flores dos ramos da cabeça do veado.
O senhor rico ficou muito espantado. tão espantado, tão espantado que deu dinheiro ao senhor velho.
Depois, o veado nunca mais voltou à sua jaula porque o rico percebeu que lhe caiam as flores das hastes.
Nasceram muitas florizinhas nas hastes do veado e o rico foi apanhar algumas".

 

Família Santos
A Madalena Santos de 4 anos, em conjunto com a mãe, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] O veado saiu da jaula. Cresceram flores nas suas hastes. Voltou para a sua floresta silenciosa e foi muito feliz. Vitória, vitória, acabou-se a história!"

 

Família Gama
A Maria Marta de 5 anos, em conjunto com a mãe, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] Quando o criado abriu o portão disse para o veado, vai vai para a floresta e nesse momento, começaram a a parecer flores margaridas. O senhor de barbas brancas ficou encantado como o veado voltou a ter flores, estava muito bonito, em liberdade na floresta".

FIM

 

 

» Trabalhos realizados em Março sobre o livro "O Macaco do Rabo Cortado"

Título: O macaco do rabo cortado
Autor: António Torrado
Editor: Porto : Civilização
Data: 1993
Suporte: Livro
ISBN: 972-26-1129-1

 

  

 

Família Hardisty

 A Maria Ana de 6 anos, em conjunto com o pai, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] O macaco roubou uma viola da escola. Depois voltou à escola para tocar e cantar para os meninos da escola. Tornaram-se grandes amigos e todas as semanas cantarolaram e dedilharam.
Mas uma coisa era certa: a canção favorita deles foi "O Fado do Macaco do Rabo Cortado".

 

Família Hardisty

 O Filipe de 3 anos, em conjunto com o pai, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] O macaco roubou algumas nuvens. Depois conseguiu voar através das nuvens. Viajou e voou. de longe, de repente, viu alguma coisa. Era o camião do lixo! Desceu e pediu aos homens para ajudar a encontrar o rabinho, depois correu para o hospital para por o rabo outra vez. Ficou tão contente e nunca mais se queixou do seu rabinho".

 

Margarida Fernandes

A Margarida Fernandes de 3 anos, em conjunto com o pai, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] Depois de saber que a professora e as meninas tinham cozido o pão todo, o macaco fez uma birra, barafustou, pulou e, zangado, levou o giz todo que havia na escola.
Escusado será dizer que a professora ficou muito surpreendida quando começou a aula e verificou que o giz tinha desaparecido. E o macaco lá foi, todo contente com o bolso cheio de giz e a pensar: "comeram o meu pão, mas eu fiquei com o giz todo".
Nisto passa por uma menina que estava sentada num banco de jardim, com um aspecto muito triste e sozinha. A menina disse logo:
- Macaco não queres ir a minha casa brincar com o giz no quadro que eu lá tenho?
- Quero pois! eu até estava com vontade de fazer uns desenhos...
E lá foram os dois, todos contentes para casa da menina a ao chegarem lá, o macaco contou à menina a história do rabo cortado, da navalha, da cesta do pão e...do giz.
A menina achou a história muito gira e divertida e decidiu fazer o desenho que aqui está ao lado, que por sinal até está muito bem feito. Não acham?"

FIM

  

 


» Trabalhos realizados em Fevereiro sobre o livro "Na quinta das cerejeiras"

Título: Na quinta das cerejeiras
Autor: Ilse Losa
Editor: Porto - Asa
Data: 2003
Suporte: Livro
ISBN: 972-41-2168-2

 

Tiago de 2 anos, em conjunto com a mãe, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] O Luís foi para a cidade e conheceu muitos amigos novos. A cidade é diferente mas também é muito divertida. Há muitas pessoas, muitos carros, muitos autocarros e também é muito giro.
O Luís começou numa escola nova, com uma professora muito simpática. Aprendeu muitas coisas giras e divertidas. O Luís tinha saudades da aldeia mas aprendeu a gostar da cidade."

 

Sara de 4 anos, em conjunto com o tio, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] O Luís e a Rosa chegaram à cidade muito ansiosos. Como seria a sua vida na nova casa? A Rosa estava preocupada por não saber se iria dar bem com os colegas no novo trabalho. E o Luís pensava nos amigos que tinha deixado na aldeia.
Ao chegar à cidade assustaram-se primeiro com o barulho dos carros. Mas para sua surpresa, a sua casa tinha um pequeno quintal, para o qual o Bigodes correu logo atrás dos pássaros que ali estavam. No dia seguinte, a Rosa começou a trabalhar e os colegas receberam-na muito bem. Na escola o Luís, fez logo muitos amigos e depois das aulas foram todos para o quintal de casa do Luís jogar à bola. E quando chegou Junho e os primeiros calores do Verão, todos se deliciaram com as cerejas da cerejeira que crescia no meio do quintal."

 

Beatriz Leitão de 2 anos, em conjunto com o pai, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] Quando chegaram à cidade ficaram um pouco tristes, mas passados alguns dias descobriram que na cidade também se podiam divertir. Podiam ir ao parque, podiam ir ao cinema, ao Jardim Zoológico.
Foi fácil viverem na cidade e com algum esforço conseguiriam tornar a sua vida tão feliz como na Quinta. Até o cão do Luís encontrou um novo amigo, o "Farrusco"!
Vitória, vitória, acabou-se a história.

FIM

 

 


» Trabalhos realizados em Fevereiro sobre o livro "Viagem com Whish"

Título: Viagem com Wish
Autor: Ilse Losa
Editor: Porto - Asa
Data: 1983
Suporte: Livro
ISBN: 972-41-0237-8

 

Família Condesso

Paula de 5 anos, em conjunto com o pai, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] Quando estava dentro de uma tigela de chocolate apareceu um sol muito bonito que tinha cara e ria-se. O Wish saiu da tigela e nesse momento começou a chover corações de todas as cores, e as árvores tambem ficaram coloridas. Até as flore ficaram com muitas cores.
Toda a ilha ficou colorida quando apareceu o sol. O sol é a fonte da vida."

 

Família Gerhardt

Aisha de 8 anos, em conjunto com a mãe, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] Depois que o João caiu na taça de chocolate, ele achou um tesouro de doces. Ele correu tanto que a areia saltou para cima e ficou cor de laranja. A Wish estava a voar e viu tudo muito pequeno lá de cima, por isso ela nãoaterrou. Mas vieram também outros pássaros para brincarem com a Wish no ar. por enquanto, o João se encheu de doces. E viveu feliz para sempre."

 

Família Silva

Inês Silva de 8 anos, em conjunto com a prima, escreveu o seguinte final para este livro:

"[...] O mar era gelatina, as árvores eram gomas, a areia da praia era açucar, as caules das flores eram feitas de chocolate, o pólen sabia a mel e as pétalas sabiam a bauninha. Todos os frutos eram pastilhas.
De repente, o João acordou e perceberam que tinha sido um sonho. como ele era muito guloso, sonhou que a ilha era feita de doces e conseguiu realizar o seu desejo de estar numa ilha. A Wish era o seu desejo, pois Wish quer dizer desejo em inglês."

FIM

 

 


retroceder imprimir página guardar página enviar endereço


 
Reabertura da Biblioteca Palácio Galveias
Copyright CML/DBAMapa do sítioPolítica de PrivacidadeSugira este SítioAdicione aos FavoritosSugestõesseara.com