Bibliotecas Municipais de Lisboa
Rede BLXServiçosCatálogoColeçõesLoja BLXVidas e Memórias do Bairro
Home
... em Outubro

S T Q Q S S D
 
01
02
03
04
05
06
07
08
09
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
 
 
 
< >
Notícias BLX
Facebook Twitter YouTube Pinterest Google+ Google Maps Flickr
  Pesquisa no sítio Perguntas Frequentes Pesquisa no google Ajuda
 
NotíciasNotícias

 
Ciclo "Questões de género"




de setembro a dezembro de 2019
na Biblioteca Palácio Galveias

Com a organização de várias universidades decorrerão diversas atividades ligadas a esta temática, tal como conferências, mesas-redondas, "laboratório de género na arte".

Programa
setembro a dezembro de 2019

25 de setembro

14h20: Sessão inaugural com Isabel Almeida (Direcção do CHAM-Centro de Humanidades), Isabel Monteiro (Bibliotecas Municipais de Lisboa) e Comissão Organizadora.
 
14h30: Sessão «Cinema, literatura e Sexualidade», com moderação de Isabel Almeida:
      - «La temporalidad queer en el cine zombie», por Patricia Saldarriaga (Middlebury College, Estados Unidos).
      - «Representaciones de poder y género en el cine zombi latinoaméricano», por Emy Manini (University of Puget Sound, Estados Unidos).
      - «Transextualidad en la crónicas de Gabriela Wiener», por Ángeles Mateo del Pino (Universidad de Las Palmas de Gran Canaria, Espanha).
                                                            
15h50: Mesa-redonda «Representações da mulher nos filmes de João Canijo», com Érica Faleiro Rodrigues (Universidade Nova de Lisboa) e Daniel Ribas (Universidade Católica do Porto).
 
16h30: Mesa-redonda «Igualdade no acesso à adopção, apadrinhamento civil e coadopção três anos depois», moderada por Jorge Cabral, com Carmen Gonçalves («Meninos do Mundo»), João Valério (ILGA) e Pedro Costa (ISPA).
 
24 de outubro
 
14h30: Sessão «Artes e Sexualidade», com moderação de Carla Alferes Pinto:
      - «Vasco Araújo: a teatralização do género e a ambivalência da máscara», por Bruno Marques (Universidade Nova de Lisboa).
      - «Da fundação do Festival LGBT à pintura fetichista de Celso Júnior», por Teresa Lousa (Universidade Nova de Lisboa) e José Eliézer Mikosz (EMBAP-UNESPAR, Brasil).
      - «O corpo-pele no trabalho de Lucia Pizzani», por Giulia Lamoni (Universidade Nova de Lisboa).
      - «Expressões e autorias femininas: o caso de Josefa de Óbidos (1630-1684)», por Carla Alferes Pinto (Universidade Nova de Lisboa).
 
16h30: Mesa-redonda «Feministas ao longo da história», com Maria Barreto Dávila (CHAM-Centro de Humanidades), Pedro Urbano (Instituto de História Contemporânea) e Lúcia Vicente (escritora).
 
 
26 de outubro
 
10h/13h: «Laboratório de Género na Arte», coordenado por Aida Rechena (CHAIA/UÉ – CeiED/ULHT) e Teresa Veiga Furtado (CHAIA/UÉ – CICS.NOVA). Projecto artístico de investigação-acção, focado na prática e reflexão artística, através da realização de oficinas de arte participativa e colaborativa – fotografia, colagem, vídeo, desenho – sobre questões de género como os estereótipos, os papéis sociais, e a violência, entre outros. Público- alvo: comunidade em geral. Coordenação: Aida Rechena e Teresa Veiga (Universidade de Évora).
Inscrições através do email tvfuevora.pt
 
 
26 de novembro

14h30: Mesa-redonda «A ideia de “masculinidade”», moderada por Maria Barreto Dávila, com Ana Maria Rodrigues (Universidade de Lisboa) e Hélder Carvalhal (Universidade de Évora).
 
15h30: Mesa-redonda «Conciliação de papéis: desafios e estratégias. Experiências de articulação da maternidade com outras esferas da vida», moderada por Liliana Azevedo (CIES / ISCTE-IUL), com Ana Gomes (autora do blog «A Melhor Amiga da Barbie»), Rita Custódio (tradutora), Dulce Morgado Neves (socióloga) e Joana Salay Leme (activista de «Em Luta»).
 
16h30: Mesa-redonda «Mulheres afro-descendentes e produção cultural: que desafios?», moderada por Cristina Roldão (CIES-IUL), com Gisela Casimiro (escritora e fotógrafa), Neusa Sousa (repórter da RTP África, fundadora do Chá de Beleza Afro, do Pitéu da Xinda e do blog «Minha doce África») e Alexandra Santos (fundadora do Queering Style, parte do coletivo de auto-defesa transfeminista e da Lóbula).

 
18 de dezembro

14h30: Sessão «Sexualidade e Cinema»:
      - «Todo sobre mi madre, de Pedro Almodovar: transgressão, desejo e liberdade», por Ana Bela Morais (Universidade de Lisboa).
      - «Linguagem para um Corpo Silencioso: Uma Leitura de Moonlight (2016) no Campo da Teologia Queer», por Sérgio Dias Branco (Universidade de Coimbra e Durham University, Reino Unido).
 
15h20: Conferência «Direitos humanos, direitos das mulheres e multiculturalidade», por Maria Luísa Ribeiro Ferreira (Universidade Nova de Lisboa).
 
16h: Mesa-redonda «Género e sociedade», moderada por Noemi Alfieri (Universidade Nova de Lisboa), com Yara Monteiro (escritora) e Margarida Rendeiro (CHAM-FCSH/UNL).
 
17h: Recital e comentários dos «20 Enigmas de La Casa do Prazer» de Sor Juana Inés de la Cruz, por Beatriz Santiago Ortiz e María-Milagros Rivera Garretas (Universidad de Barcelona, Espanha).


Apresentação das sessões

24 de outubro
 
14h30: Sessão «Artes e Sexualidade»:
      
      - «Da fundação do Festival LGBT à pintura fetichista de Celso Júnior», por Teresa Lousa (Universidade Nova de Lisboa) e José Eliézer Mikosz (EMBAP-UNESPAR, Brasil).
Celso Júnior (Paranavaí-PR-BR, 1962) pintor radicado na Europa desde os anos 1990, época em que a sua pintura se desenvolve numa temática LGBT, destacando-se pela representação de homens com indumentária militar e botas altas, objetos de fetiche que o artista relaciona com o sagrado. Encontrando-se Celso em Lisboa em 1997 trava conhecimento com uma série de personalidades (Gonçalo Diniz – ILGA Portugal, e José Pedro Penha Lopes – fundador do primeiro festival Ciclo Positivo HIV SIDA/Abraço) que serão, tal como ele, os fundadores de uma agenda de intervenção social e cultural LGBT em Lisboa. Será em uma visita casa de Celso Júnior que esse grupo de amigos decide incumbi-lo da direção do Primeiro Festival Gay e Lésbico de Cinema, após terem entrado em contato com seu notável acervo de filmes e de sua curiosa coleção de mais de 500 pares de botas militares que os deixou impressionados. É assim que Celso assume a função de realizar este Festival mais tarde denominado Festival LGBT e o atual Queer Lisboa, que se mantém um importante fórum internacional de cinema.
 
26 de novembro
 
15h30: Mesa-redonda «Conciliação de papéis: desafios e estratégias. Experiências de articulação da maternidade com outras esferas da vida», moderada por Liliana Azevedo (CIES / ISCTE-IUL), com Ana Gomes (autora do blog «A Melhor Amiga da Barbie»), Rita Custódio (tradutora), Dulce Morgado Neves (socióloga) e Joana Salay Leme (activista de «Em Luta»).
 
Que dilemas/escolhas se colocam às mulheres profissionalmente e socialmente depois de serem mães? Isto é: de que forma a maternidade muda a relação das mulheres com o trabalho, com o lazer, com a sua rede social? Como é que as mulheres conciliam os seus diferentes papéis (mãe, profissional, esposa/companheira, ativista, etc.)? Que estratégias/recursos utilizam para conseguir estar presentes em várias frentes? Que formas de conciliação são possíveis e/ou desejáveis? Quatro mulheres, com perfis distintos, partilham a sua visão e experiências sobre estas questões.

18 de dezembro
 
14h30: Sessão «Sexualidade e Cinema»:
      - «Todo sobre mi madre, de Pedro Almodóvar: transgressão, desejo e liberdade», por Ana Bela Morais (Universidade de Lisboa).
Através da análise do filme Todo sobre mi madre (Pedro Almodóvar, 1999), da sua complexa estrutura narrativa assente em elipses, prolepses e analepses, pretende-se refletir sobre a importância das figuras parentais e da reformulação / reconstrução da família neste filme, sempre em diálogo com outros da sua obra fílmica. O diálogo de Todo sobre mi madre com outras formas de expressão artística é idêntico ao modo como mistura e reformula os géneros cinematográficos e, também, os géneros masculino e feminino.

17h: Recital e comentários dos «20 Enigmas de La Casa do Prazer» de Sor Juana Inés de la Cruz, por Beatriz Santiago Ortiz e María-Milagros Rivera Garretas (Universidad de Barcelona, Espanha).
 
Los Enigmas de La Casa del Placer fueron escritos por Sor Juana Inés de la Cruz hacia1694 en la Ciudad de México, a petición de su amada la condesa de Paredes María Luisa Manrique de Lara, ex-virreina de México, y de la soberana Asamblea de La Casa del Placer, fundada en Lisboa en ocho conventos femeninos por monjas portuguesas que eran lectoras y escritoras de poesía.
Son veinte misteriosos enigmas del sentir que te enseñan a descifrar si verdaderamente es Amor lo que tú sientes por otra mujer o si es una ilusión no correspondida. En este encuentro recitaremos los Enigmas y ofreceremos una tentativa inédita de descifrarlos.

Entrada livre.

+ INFO: https://cicloquestoesdegenero.weebly.com/


Organização:
CHAM-Centro de Humanidades (NOVA FCSH — UAC)
Colaboração:
CHAIA-Centro de História de Arte e Investigação Artística (Universidade de Évora), CIES-IUL e Biblioteca Palácio Galveias.






[2019-09-25]
 

retroceder imprimir página guardar página enviar endereço


Loja BLX_jardim
Copyright CML/DBAMapa do sítioPolítica de PrivacidadeSugira este SítioAdicione aos FavoritosSugestõesseara.com